PT EN

Palácio Fronteira - Cortina arbórea

Lisboa

Ao longo dos séculos, as alterações feitas ao Palácio Fronteira e nos seus jardins foram poucas. No entanto, fora dos muros da propriedade a cidade cresceu, devido ao acelerado ritmo de construção que se verificou a partir dos anos 50. Hoje, as vistas para fora, a partir do jardim, estão interrompidas por uma barreira de prédios da recente urbanização de Benfica e a sua proximidade constitui uma séria desqualificação do ambiente do jardim. Tendo sido urgente a plantação de uma cortina arbórea no sentido de reduzir alguns dos aspectos mais intrusivos e violentos.

Para analisar este problema foram seleccionados pontos de vista dentro do perímetro visitado do jardim e palácio. A partir destes pontos foram feitos registos fotográficos aos principais ângulos de vistas do jardim:
1. Arco central da galeria dos Reis;
2. Janela central da biblioteca;
3. A janela Sul do pavilhão nascente da galeria dos Reis.

Foram assim melhoradas com barreiras de vegetação, estas principais vistas com a plantação ao longo da extrema da propriedade para que se preserve a noção de perspectiva de fundo que existia quando o jardim foi projectado.
Ficha Técnica - Arquitectos Paisagistas

Coordenação de Projecto:
Cristina Castel-Branco

Assistência de Projecto:
Miguel Coelho de Sousa | Raquel Carvalho | Maria Matos Silva

Estado: Plantado

Cliente:
Fundação das Casas de Fronteira e Alorna

Data: 2006/2007